Santos quer trocar Damião por outro atacante colorado

Contratação mais cara da história do Santos (R$ 42 milhões), Leandro Damião ainda é assunto na Vila Belmiro. Mas, desta vez, seu vínculo pode ser encerrado com o clube. Prejuízo admitido pela diretoria, já que dificilmente será vendido por valor maior, o jogador deverá servir como moeda de troca e o primeiro procurado será o próprio Internacional, clube em que o atacante atua no momento, mas por empréstimo e de graça.

A intenção da diretoria do Santos é propor ao Internacional uma troca em definitivo. O empréstimo do centroavante ao Colorado é válido apenas até o fim de junho de 2018. Um dos atletas da equipe gaúcha que interessam ao Peixe é o também atacante William Pottker, de 23 anos.

Porém, o Inter não pretende se desfazer do jovem comprado por cerca de R$ 7 milhões da Ponte Preta no início deste ano. Em 2017, Pottker jogou 27 partidas e fez oito gols vestindo a camisa vermelha. Após a chegada de Damião ao Sul, ele abriu mão de sua posição original e passou a atuar pelo lado direito do ataque.

Como já admite o prejuízo, o Santos busca ter em troca um jogador que brigue por espaço no elenco. Por outro lado, não descarta uma venda por um valor mais baixo. A prioridade dos santistas é resolver a situação com antecedência, para que não tenha que arcar com o salário de Damião a partir de julho e vê-lo sair de graça em dezembro, quando termina seu contrato.

Em janeiro de 2016, Santos e Leandro Damião fizeram um acordo na Justiça do Trabalho para que o atleta pudesse jogar por qualquer equipe até junho de 2018. O Peixe, porém, foi obrigado a pagar R$ 4,5 milhões que eram devidos ao ex-camisa 9 em salários e direitos de imagem. Seus vencimentos são avaliados em R$ 500 mil mensais.

Neste período em que foi liberado para defender qualquer clube, Damião foi emprestado para o Betis, da Espanha, Flamengo e Inter. Antes, já havia sido cedido para o Cruzeiro.

De acordo com o Transfermarket, site especializado em transações de jogadores de futebol, Leandro Damião é avaliado em R$ 2,5 milhões de euros (R$ 9,4 milhões). Quando chegou ao Peixe, no início de 2014, seu valor de mercado era de 16 milhões de euros (R$ 51 milhões em valores da época).

Aos 28 anos, tem oito gols em 15 jogos marcados em seu retorno ao Internacional, clube que o revelou para o futebol, sendo um dos principais jogadores do Colorado na Série B do Brasileirão.

Os presidentes dos dois clubes Modesto Roma Júnior e Marcelo Feijó de Medeiros se encontram regularmente em reuniões em que participam clubes que negociam com o canal de televisão Esporte Interativo. No entanto, ainda não trataram do assunto.

O Peixe só deverá cuidar do caso do atacante após a eleição presidencial, que acontece no dia 9 de dezembro, já que de acordo com o estatuto do clube, compras e vendas de direitos econômicos de atletas não podem ser feitas a 90 dias da votação.

RELAÇÃO COM DOYEN SPORTS

O fundo maltês Doyen Sports foi responsável por emprestar ao Santos os R$ 42 milhões para a compra de Leandro Damião. O plano entre o clube e os investidores foi arquitetado baseado na aposta de que o atacante seria vendido por um valor maior. Caso isso acontecesse, o Peixe ficaria com 20% do lucro da transação.

Em contrato, também consta que, caso Damião seja vendido por menos de 18 milhões de euros, o Peixe teria que completar a diferença do valor e pagar ao fundo de investimentos.

No entanto, a diretória santista acredita que vai se ver livre dessa dívida pois encaminhou um acordo com o Doyen para pagar 20 milhões de euros (cerca de R$ 75 milhões) em três parcelas.

O acordo também vale para dívidas relacionadas à compra de Lucas Lima e direitos comprados pelo Doyen dos jogadores Geuvânio, Gabigol e Daniel Guedes.