Técnica troca Grêmio por Inter e causa surpresa em dirigente; Patrícia justifica

O Inter anunciou na quarta-feira o acerto com dois reforços para o time feminino: a técnica Patrícia Gusmão, que será auxiliar de Tatiele Silveira, e a atacante, Karina, artilheira do Gauchão 2017. O detalhe é que as duas estavam na última temporada no Grêmio como treinadora e camisa 10, respectivamente. A gerente de futebol feminino do Inter, Duda Luizelli, lembrou que já trabalhou com os dois nomes e buscava os reforços para fortelecer ainda mais o projeto da modalidade no clube.

– O Inter tem um projeto. Temos desde a escolinha até equipe para vencer a Série A2. Nosso objetivo é conseguir a vaga de 2019. Tivemos a oportunidade de contratar e porque não convidar meninas que começaram comigo com 15 anos, caso de Karina e Pati (Patrícia Gusmão). Conversei com elas. Mesmo quando estavam no Grêmio mantivemos contato. E depois de tantas tentativas, conseguimos. Não foi a Duda. Todo mundo da diretoria gostou da ideia – afirmou ao blog Dona do Campinho.

Iúra, que coordena o futebol feminino no Grêmio, comentou que foi uma surpresa a saída da técnica Patrícia Gusmão. Ainda não há um novo nome a ser contratado para cargo. Ressaltou que não era uma pessoa que eles pensavam que perderiam para esta temporada. Enalteceu as qualidades da treinadora, mas disse que o Grêmio não poderia superar os valores oferecidos pelo Inter.

– A saída da Patrícia foi uma surpresa. Era menina que não pensávamos em perder. Ela é uma profissional fantástica em nível de seleção brasileira. Infelizmente, os valores que o Inter colocou para ela foram superiores. Ela é apaixonada por esse grupo que ela formou no Grêmio. Se não fosse isso ela sairia. O trabalho aqui é de pés no chão, não promentendo nada com ninguém. Cumpriremos o que propusemos de dar a elas estudo, médico, plano de saúde, salário em dia, moradia, alimentação. Isso tudo vamos cumprir sem faltar a elas, mas não vamos passar de limite porque ainda não há patrocínio de empresas, um nicho maravilhoso (futebol feminino), mas infelizmente as emrpesas ainda não entraram nesse momento. Dificulta. Estamos fazendo um trabalho consciente com a orientação do presidente (Romildo Bolzan). Não estamos objetivando vencer. Estamos estruturando para que em 2019 o Grêmio vença e saiba porque ganhou – afirmou Iúra ao Dona do Campinho.

Patrícia Gusmão comentou que a motivação para fazer a troca entre os times foi o projeto apresentado pelo Inter por meio de Duda. Salientou a importância que o clube dá de estrutura aos profissionais para assegurar os resultados. Lembrou ainda que foi o Colorado que abriu as portas a ela quando era jogadora por nove anos.

– O que me motivou a fazer essa troca foi ver todo o investimento que o Inter está fazendo no futebol feminino. A forma com que eles estão trabalhando. O pensamento, o projeto que está sendo feito. Tudo isso me fez pensar muito. Também dois dias depois do Gre-Nal, no final do ano passado, a Duda me ligou, me falou a proposta. Isso tudo me fez pensar muito e aceitar participar desse projeto novo do Inter estando na Série A2 e tudo que eles pensam bate com a minha forma de trabalhar. Dar estrutura aos profissionais para obter resultados. Todo mundo quer ganhar títulos, quer conquistas. Isso foi fudamental para aceitar o convite. Outra coisa que pesou muito foi em relação ao clube. Foi o clube que me abriu as portas quando era jogadora. Atuei lá por nove anos e acho que está na hora de eu poder ajudar um pouco fora das quatro linhas. Retornar depois de tanto tempo – disse Patrícia Gusmão.

Ela fez questão também de agradecer pela oportunidade assegurada na passagem pelo Grêmio, onde ela teve participação decisiva na montagem do elenco ainda em 2017.

– Queria também agradecer ao Grêmio por tudo que fez nesse período que estive lá. Eu sei que não é fácil fazer investimentos de uma hora para outra na modalidade, mas eu fiz muitos amigos. Pessoas que levarei para sempre. Claro, fecha uma porta, mas acredito que se abrem várias outras e eu procuro sempre seguir na direção que vá me proporcionar novos desafios e uma estrutura próxima ao que o futebol feminino merece – completou.

As duas equipes estão na disputa da Série A2 de 2018, competição que é a segunda divisão do futebol feminino brasileiro. A disputa tem início marcado para 18 de março com a fase preliminar e fechamento em 25 de março. A segunda fase está definida para 25 de abril até 15 de julho.